News

  • 23°

    Florianópolis
  • 23°

    Joinville

Passadas as comemorações e os primeiros ajustes, hoje começa efetivamente o trabalho como presidente do MDB catarinense para o deputado federal Celso Maldaner. Eleito na disputa contra o senador Dário Berger em convenção realizada no sábado (1º), ele estará hoje na Assembleia Legislativa para o almoço com a bancada estadual. À noite, terá outro encontro, desta vez com os deputados federais. Tudo isso para respeitar o prazo de sexta-feira (7) para a composição da Executiva estadual, formada por 15 nomes. Feito isso, vem a posse oficial. O desejo do novo presidente do MDB é que Dário Berger esteja com ele como primeiro vice-presidente. Durante a convenção, Maldaner insistiu no mesmo discurso que fez em sua jornada pelo estado em campanha para comandar o partido: “As bases do partido querem o MDB que faz política olhando olho no olho, da militância, que quer ser valorizada”. O esforço é para diferenciar cada vez mais o MDB-SC do MDB nacional, “onde a cúpula decide e a militância nunca foi ouvida. Deu no que deu”. Todos os planos de Maldaner para o MDB estadual têm como foco as eleições municipais de 2020. Por isso, uma meta, que reconhece “arrojada”, é aumentar em pelo menos 5 mil o número atual de filiados (próximo de 200 mil) até o final de seu mandato de dois anos. Com isso, pretende pelo menos manter, o número de prefeitos, 101, e de vereadores, 847. Além de preparar o caminho para preservar o status de maior bancada estadual do Brasil e a segunda maior bancada federal. (Leia matéria completa em www.scportais.com.br)

 

_________

“É como disse o Casildo: nós vamos varrer os vendilhões do templo em Brasília! Vamos fazer uma limpa por lá em setembro! Por bem ou por mal! É a primeira vez que vamos disputar o diretório nacional para mudar aquela coisa em Brasília!”

Deputado federal Celso Maldaner, eleito presidente do MDB-SC, citando o irmão, ex-governador Casildo Maldaner, sobre a situação do partido no cenário nacional

----------------

 

Ainda o MDB “Aquela coisa em Brasília” foi, na opinião de Celso Maldaner, a grande responsável pela derrota do MDB-SC nas urnas em 2018. Com Mauro Mariani, ex-deputado federal e agora ex-presidente do partido no estado, o MDB amargou um humilhante terceiro lugar e não chegou sequer ao segundo turno, mesmo tendo o governo naquele momento, com Eduardo Moreira. “Nós pagamos um preço muito alto!”, aponta Maldaner ao dizer que foi bom para Dário Berger não ter disputado o governo naquele momento e com aquele cenário, de frequentes notícias negativas do MDB na imprensa nacional.

 

O nome da esperança dos emedebistas que são oposição à atual direção do MDB nacional é Simone Nassar Tebet, advogada, professora e senadora pelo Mato Grosso do Sul. Neste ponto não há qualquer discordância por aqui. Durante a convenção de sábado, Maldaner e Berger manifestaram apoio a Simone para assumir a presidência do MDB nacional. Mas ela pode vir a ocupar a primeira vice-presidência, desde que o histórico Pedro Simon (MDB-RS) seja o presidente.

 

(Foto legenda e notas relacionadas da edição de 04/06/2019 da Coluna Pelo Estado, distribuída para 20 diários integrados do interior de Santa Catarina (adisc.com.br) e para os portais reunidos em scportais.com.br. Você também pode ler a íntegra da coluna no site  centraldediarios.com.br/cnr)

  • 13.06.2019

    Clima tenso

    A sessão de ontem da Assembleia teve um momento no mínimo constrangedor. O deputado Ivan Naatz (PV) usou a tribuna para apr...

  • 12.06.2019

    Pego de surpresa

    O deputado Sargento Lima não conseguiu esconder sua surpresa – e chateação – com a manobra de últ...

  • 11.06.2019

    E a contrapartida?

    A bomba está no colo do presidente da Comissão de Finanças e Tributação, deputado Marcos Vieira (PSDB)...